segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Mochilão 2016 - Buenos Aires

De início não gostei de Buenos Aires e nem sei explicar o porquê. Talvez eu tenha dado a má sorte de que ter chegado por aqui em pleno domingo. Mas, agora na hora da partida tenho outra opinião. BA é bacana sim - é uma cidade 24h, elétrica mas que não se entrega assim de primeira: é preciso ficar um tempo maior por aqui para descobrir lugares, os aconchegos, os pequenos caprichos. Como fiquei somente dois dias a resposta é óbvia: já estou pensando no retorno para muito em breve. PS: A feira de San Telmo é imperdível.

Cantilena do viajante

Quanto tempo fiquei: 2 dias
Como cheguei: de Santiago no Chile (viação CATA)

Onde Fiquei: Hostel Plaza del Sur, na região central de BA
O que comi: comida vegetariana
Como me locomovi: a pé, de balsa e de metrô
Para onde fui: Colônia do Sacramento, Uruguai.

Mochilão 2016 - O hostel plaza del sur em BA

Mais um acerto nesta viagem: o ótimo e barato Hostel Plaza del Sur. Fica num casarão de 5 andares interligados por um elevador de porta pantográfica (!). As acomodações foram restauradas preservando os ladrilhos hidráulicos do piso. Há ainda um salão central para vivência, sala de leitura, café da manhã servido em um terraço lindo além de aulas de espanhol e saídas programadas a pé pela cidade (tudo sem custos adicionais). Diária de 12 dólares. Que tal?

Mochilão 2016 - O metrô de Buenos Aires

A marca registrada do metrô de BA são os lindos azulejos que compõem paisagens ou temas históricos. Muito embora vários deles precisem de restauro (o metrô é bastante antigo), o conjunto é bastante interessante. Parece que o trabalho de recuperação já começou. Há alguns trens novos e algumas estações com reformas e tratamento cromático. Na foto, a estação Plaza Itália. Linda.

Moxhilão 2016 - Brasileiros em Buenos Aires

Definitivamente há uma avalanche de brasileiros em Buenos Aires. A cada dez passos escuta-se spots de "ah... eu vi um igual em Taubaté... / quanto custa mocinha..." aqui e acolá. Tanto, que alguns restaurantes estão aceitando pagamento em real.

sábado, 22 de outubro de 2016

Mochilão 2016 - Santiago

Santiago é uma cidade onde as pessoas ocupam as ruas e praças. É uma cidade grande onde as ruas ainda são lugares de encontro, de vivência, de estar. Espero voltar muito em breve. Agora é hora de cruzar os Andes novamente agora um pouco mais à sul do ponto que entrei. Próxima parada Buenos Aires. Hasta luego!
****
Cantilena do viajante:
Quanto tempo fiquei: 3 dias intensos
Como cheguei: ônibus partindo de Valparaíso, 1h30 de trajeto
Onde fiquei: Hostel Bellavista
O que comi: arroz com pescado, pizza, arroz com pollo
Como me locomovi: taxi, metrô, a pé
Para onde fui: Buenos Aires

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Mochilão 2016 - Cerro Santa Lucia e o Mercado Central

O cerro Santa Lucia é um mirante que fica na região central de Santiago construído no século XIX. A vista é de 360 graus. Vale a subida. Outro passeio interessante é o mercado central que conta com vários restaurantes, incluindo... comida brasileira e atendimento brasileiro.

Mochilão 2016 - O bairro Bellavista

Bellavista é a combinação da Vila Madalena com a Frei Caneca em São Paulo, simples assim. Tem um monte de bares emendados uns aos outros, várias casas noturnas e gente na rua até tarde. Daí, encontrei um hostel que fica bem no centro do burburinho e que tem uma decoração i.n.c.r.í.v.e.l. Aliás, esse é um hostel para quem realmente não pensa em dormir cedo: nesse extato momento tem uma galera reunida no pebolim do salão de jogos e na madrugada vitrola rolando um blues, trocando de biquíni sem parar.

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Mochilão 2016 - Os morros de Valparaíso

Valparaíso tem a vibração da cidade de São Paulo mas com vista para um porto no oceano pacífico. Lojas, gente elétrica pra cá e pra lá. Um passeio muito bacana é se perder nos morros próximos ao paseo yugoslavo. São casinhas multicoloridas que congregram muitos cafés e ateliês de todo tipo; Lindo. Ótimo para tirar fotos.

domingo, 16 de outubro de 2016

Mochilão 2016 - Valle de Elqui

O Valle de Elqui, uma linda tapeçaria verde, compreende várias cidades e é o centro da produção de pisco. Também é famoso por observatórios e visitantes em busca de energia cósmica, atividades extraterrestres - quase uma São Thomé das Letras - além de ter sido o lar da poetisa Gabriela Mistral.
Visitamos (e lá provamos!) alambiques de pisco, vinícolas e cervejarias. Uma  delícia.

Cantilena do Viajante - Combo La Serena (Valle de Elqui: Vicuña e Pisco Elqui)

Quanto tempo fiquei: 2 dias
Como cheguei: partindo de Calama de ônibus.
Onde fiquei: no pequeno e hospitaleiro Hostel D'Aragona
O que comi: Pollo com arroz, saladas. Tempurá de frango (isso mesmo)
Como me locomovi: a pé, de bicicleta e de carro de excursão
Para onde fui: Valparaíso
Gente e essas novelas chilenas? 90% das cenas seguem:
1 - um longo diálogo eloquente, cabeça;
2 - pausa dramática, olho no olho;
3 - todos choram.
Pronto, acabou. jajajajajajajajajajaja!

sábado, 15 de outubro de 2016

Mochilão 2016 - La Serena

La Serena é uma cidade muito acolhedora e vibrante ao mesmo tempo. Possui um centro histórico charmoso e bem preservado onde não faltam opções que vão de restaurantes mais elaborados à cafés (muitos cafés) e fast-foods. Também é o ponto de partida para vários passeios do Norte Chico chileno. A ideia é conhecer o Valle del Elqui, uma espécie de São Thomé das Letras daqui.
Premonições místicas me dizem que será fantástico :)

Mochilão 2016

Lição aprendida: estudar muito bem horários e tempos de deslocamento para não chegar de madrugada. Cheguei 03h da manhã e fiquei na rua no meio do mato. Nunca mais.

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Mochilão 2016 - O caminho pelo Paso de Jama

Entrar no Chile pelo caminho do Paso de Jama é inesquecível. Este caminho liga a província de Salta e de Jujuy na Argentina à pequenina San Pedro do Atacama no Chile. A estrada é linda. Passa por Pumarmarca, famosa pela serra das sete cores. A cordilheira a partir daquele ponto, exibe camadas multicoloridas de lilás, verde e ocres cintilantes que parecem ter sido pintados à mão. Olhar a vida ali é como olhar um quadro em que as cores ficam mais vivas ao entardecer. Na fronteira propriamente dita, ao lado de um salar, tivemos um contratempo: uma espera de 3 longas horas por causa do equipamento de raio-x enguiçado. Enebriado pelo efeito da altitude não restou outra opção, dormir. Calama em si, não tem nada de especial. Por enquanto só um ponto de parada para o próximo passo, esse sim mais interessante: La Serena. Aguardeeeeem.