quarta-feira, 29 de junho de 2005

9 Canções



A estudante norte-americana Lisa conheceu Matt, um inglês um pouco mais velho, num show de rock na Inglaterra. Figuras comuns e não necessariamente atraentes, os dois vivem uma tórrida relação e se encontram para ouvir música, terminando a noite na cama. Os dias seguem sempre da mesma maneira até que chega a hora em que a garota deve voltar a seu país natal. Ele, então, relembra as vezes em que se encontraram em dias de solidão numa expedição pela Antártida.

O título do filme, 9 Canções, refere-se ao número de vezes em que o casal manteve relações. Devido ao grande número de cenas de nudez e sexo, o set de filmagem era mantido com a mínima quantidade de pessoas possível. Os shows mostrados são das bandas Black Rebel Motorcycle Club, The Von Bondies, Elbow, The Dandy Warhols, Primal Scream, Super Furry Animals e Franz Ferdinand.


Já quero.
Não é o meu aniversário, nem qualquer outra ocasião especial, mesmo assim decidi atualizar a minha whish list pessoal. Eis, em ordem mental, não de preferência.

01. Um filtro de água, não precisa ser o Europa. Pode ser aqueles de barro e vela que fica verde.
02. Uma geladeira ou frigobar, na cor branca.
03. Um fogão ou fogareiro de duas bocas, branco pra combinar com a geladeira ou frigobar que você vai comprar.
04. Jogo de talheres bem bacanas.
05. Jogo de pratos bacaninhas com cara de vila Madalena.
06. Me livrar de contas antigas.
07. Um pino contendo 100 CD-Rs de boa qualidade prontos para serem gravados.
08. Uma garrafa de quentão. Junho está acabando e ainda não tomei um gole sequer.
09. Uma armação de óculos novo. As minhas já deram no saco.
10. Ida ao cinema. Você me pega em casa e me traz de volta, com direito ao lanche e compra de pequenas bugiganguinhas de rua.
11. Um pote de creme de avelã.
12. Sorvete de milho em quantidade.
13. Uma sessão de limpeza de pele.
14. Corte de cabelo num salão que fica em Pinheiros. De tanto eu mesmo cortar o meu cabelo já está ficando ridículo.
15. Um jantar no América
16. Uma tarde de guloseimas na Padaria Letícia.
17. Viagem à Israel com tudo pago.
18. Dicas de boas Kits na região central de São Paulo. Tenho preferência por andares altos.
19. Implante de cabelo.
20. Curso de baixo.
21. Curso completo de francês.
22. Curso de flauta transversal.
23. Fazer a minha prova de Química Geral da próxima segunda-feira e. claro, se sair bem nela.
24. Pote de jujubas.

Por hora é só.

quarta-feira, 22 de junho de 2005

Já que dizem que os nossos japoneses são melhores do que os dos outros, bem que poderiam inventar medidas-do-Bonfim que arrebentassem em 3 dias.

Se eu sabotar a minha, os pedidos continuam valendo?

terça-feira, 21 de junho de 2005

Hoje recebi uma visita.
Uma pessoa muito querida que, no alto dos seus quase 80 anos, decidiu inesperadamente nos visitar. Friso do editor deste blog ao advérbio.

Dona de uma inocência que só as crianças muito jovens, os muito velhos, e os polianas-convictos têm, não hesitou em disparar perguntas de sutileza tsunâmica.

- OOOh, como você tá grande fi-i-inho, [me abrançando].
- Você não casou?? Quando você vai casar, meu fio?

O resto da família sorri quadrado:
- Esse aí é ajuizado... não dá dor de cabeça. (risos podres de amarelos)

*
Diria a psicanálise que todo grupo tem os seus bolsões de silêncio - aqueles assuntinhos proibidos, que simplesmente não podem ser conversados poque o grupo não está preparado para enfrentá-lo.

Nessas horas é que dou um hip-hip-urra para a psicanálise.
*
No Estado do último domingo, José Arthur Gianotti, o homem das éticas duvidosas, ao se referir à bandalheira política das últimas semanas, dizia que a administração dos recursos cruza a zona cinzenta da amoralidade.

É verdade.
E as relações familiares também.

sábado, 18 de junho de 2005



Efeméride: 18 de junho é dia do químico.
Há 10 anos eu marcava o fatídico xizinho no manual da fuvest responsável pela minha cruz e delícia.

As possíveis comemorações são:

a) Etanol sob as mais variadas formas
b) Diversões sintéticas
c) Injeções cavalares de serotonina
d) Tomar cicuta e morrer feliz

sexta-feira, 17 de junho de 2005

O assunto de 9 entre 10 geeks é a adoção da arquitetura intel pela Apple.
A direção da Apple no entanto parece firme ao dizer que o sistema da maçã só rodará em macintoshs munidos do processador da intel - os macintels
"Não permitiremos rodar o Mac OS X em qualquer computador que não seja um Macintosh"
Phil Schiller, vice-presidente da Apple.


Não dou 1 ano para que o Mac OS X esteja em qualquer PC-de-Carrefour mais próximo de você. Aposta feita.
*
Macintochers, tanto empenho nerd pra isso, rá.

quinta-feira, 16 de junho de 2005

quarta-feira, 15 de junho de 2005



Astrud Gilberto - photograph

Eu, você, nós dois aqui nesse terraço a beira-mar...

terça-feira, 14 de junho de 2005

Reclamar do pagamento mixo há tempos não é novidade. Me recuso a repetir o causo. A novidade mesmo fica por conta da subcategoria recém-sentida-na-pele - trabalho escriba com pagamento mixo. Fracamente, o trabalho - e toda sorte tarefas adjacentes não-remuneradas - tem dado cria exponencialmente. O máximo que posso declarar, após esta segunda-feira braba, de caminhadas intermináveis sobre o chão de epóxi verde borrado por acetato de etila do instituto de química, é a minha vontade ao chegar em casa: por os pés numa salmoura morna, como fazia a minha bisavó. Bem coisa de gente antiga, sabe?
*
Falando em gente antiga, estava pichado no box do banheiro: Por um movimento estudantil de direita!
Tenho me assustado com o conservadorismo dos alunos ingressantes na universidade deste ano. Todos padronizadamente sérios além da conta. Será esse o target dos próximos anos?
*
Voltando à salmoura, na falta, serve a www.luxuriamusic.com, repleta de easylistening, downtempo e um monte de coisinhas antigas-like.
Minha querida, obrigado por ter me introduzido - sem piadas aqui, hum?

domingo, 12 de junho de 2005

limpo



Céu limpo, com sol de dia frio.
Sem nuvens em minha alma.

quarta-feira, 8 de junho de 2005

A boa pedida de hoje é a lounge-radio.com.
Suíça que toca alguma bossa eletrônica e correlatos.

Tudo, bem redondinho,
bem na medida.

sexta-feira, 3 de junho de 2005

Há um certo estágio, típico da criança ainda muito pequena, onde ela só é capaz de enxergar as pessoas como boas ou ruins. Sem meio termos. Ora fada, ora bruxa.
Só depois é que elas compreenderão que pessoas podem ser ruins e boas ao mesmo tempo.

Esta última semana o suficiente pra me mostrar o quanto eu parei naquele primeiro estágio.