quarta-feira, 24 de agosto de 2005

Dei uma passadinha no Carrefour neste último domingo a procura de uma máquina de lavar que estivesse por um precinho módico (lenda) e, principalmente, que coubesse em algum canto da minha futura-pretensa kitnete.

Tudo o que posso comentar sobre o assunto se resume nos seguintes ítens, a saber:

1 - incrível a semelhança das máquinas de lavar mais modernas, em especial aquelas mais completinhas, as que não só lavam mas também batem a roupa, centrifugam, passam um cafezinho e trocam o pneu do carro, com os objetos de cena do Star Trek. Tudo muito cafona. Cafoníssimo. Uma casa lotada de eletrodométicos deste naipe seria um bom exemplo de um superlativo da realidade.

2 - De fato eu não sabia a diferença entre um tanquinho e uma máquina de lavar. Tanquinhos têm vocação para enroscar a roupa naquela rodinha, transformando camisetas em tomara-que-caia. Já as máquinas de lavar, adoram andar pela casa. Acredito que no segundo caso uma boa coleira resolva.

3 - Passando ao ítem móveis, fiquei em dúvidas se levaria a tábua de passar Amélia, ou a Ana Júlia, que era mais a chique. Por outro lado, a Amélia caberia direitinho dentro do conjuto horroroso de amários conjugados Danielly. Será o destino dos móveis levarem nomes de donas-de-casa?

4 - No centro de São Paulo não há lojinhas de 1,99 nem de desinfetantes genéricos baratinhos que tanto adoro.
Se quiser me deixar contente me dê uma garrafa pet com um desses, tenho preferência pelos de cor berrante. Só não vale eucalipto e pinho. Estes têm cheiro de banheiro público.

2 comentários:

matheus disse...

Na verdade, também tem as linhas com nomes de cidades (geralmente italianas, como firenze, siena, ...). Ah sim, em relação a desinfetantes, meus clientes não permitiriam que eu usasse genéricos.

1.000ton disse...

Eucalipto me lembra sacanagem ehehehehe

;)