domingo, 28 de agosto de 2005

Neste último sábado encaixotei tudo.

Incrível mesmo foi perceber, enquanto revirava o maleiro do meu guarda-roupa numa verdadeira expedição arqueológica, o peso físico e literal da memória, sobretudo o da memória escolar.

Estavam embalsamados ali todos os cadernos, desde os do prezinho aos da pós-graduação, numa antologia reveladora de uma existência nerd.
Nerdíssima, mesmo porque até os meus 20 anos eu era dono de uma auto-estima lixenta: o mundo, sobretudo na forma das aulas de educação física, era ameaçador demais. A interação com as pessoas nem se fala.

A grande solução, então, era me dedicar compulsivamente aos estudos construindo um mundinho próprio onde eu era capaz de ser bem sucedido - em alguma coisa eu precisava ser bom, não?
Neste mundinho moravam apenas eu, meus livros e meus brinquedos que experimentavam as emoções por mim.
* *
Não tive coragem de botar fora tudo. Não, não.
Mas digo que que o mocinho que recolhe papéis aqui no bairro terá uma boa surpresa com os cadernos esgarranchados da Tia Simone e com os xérox das transparências de bioquímica industrial. Já é o dinheirinho para o final do ano, com certeza.

Como saldo da faxina, posso dizer que a minha vida coube em 4 caixas.
Uma de cd's e fitas vhs, outra de livros, mais uma de apostilas da faculdade e miudezas e, finalmente, a de roupas.
São estas 4 caixas, minha cama, meu micro e meu aparelho de som que me acompanharão na mudança.

Ah, sim. E as minhas memórias também.

8 comentários:

lisa disse...

muitas felicidades na nova vida, gorito!

parabéns!

beijos!

melo disse...

desse passo você não se arrependerá nunca!
boa sorte!
chama a gente pro open house!

matheus disse...

gente, nunca me identifiquei tanto com um trecho como o "A grande solução, então, era me dedicar compulsivamente aos estudos construindo um mundinho próprio onde eu era capaz de ser bem sucedido - em alguma coisa eu precisava ser bom, não? "

1.000ton disse...

Eeeeeeeee, boa mudança, Gori!
Em breve é minha vez de mudar outra vez (a bilionésima. Eu gosto.) Não gosto é desse carregamento todo. Mas estou cada vez mais Zen. Só vai o necessário, o resto fica na memória, que um dia tb será deletada.
É a vida.


bjão

Anônimo disse...

Se tiver festinha de inauguração, eu levo uns vinhos argentinos que são tudo de bom.

E quanto as aulas de Educação Fisica, era um dos poucos momentos em que eu me dava bem no colegio, tendo em vista que eu jogava volei no Palmeiras, então era o único momento em que eu era "disputado" para algo. De resto, cai nas "graças" do esquecimento de muitos.

Murilo - aquele que se recusa a efetuar um login pra publicar um comentário.

Carla disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Carla Navarrete disse...

E qdo vai ter festinha de inauguração, hein, hein?

Edu o Histérico disse...

Marco suas palavras me deixam feliz por um lado e triste por outro. será que nossas vidas devem ser dessa maneira, será que caixas serão suficientes... enfim divaguei e o pano de prato esta de pé...