quarta-feira, 14 de setembro de 2005

Ultimamente estou revendo os critérios do que considero um bom marido.
Além de usar barba, ser mais alto do que eu, ser judeu (ou aparentado) e ter cabelo castanho escuro ou preto (sim, prefiro os inteligentes) - o moço também deve dominar as práticas caseiras de culinária e arrumação.
É.
Ontem a máquina de lavar inundou a kit. Ai, socorro.
Além disso, não consigo trocar lâmpadas subindo nem mesmo em cadeiras - daí os mais altos, compreende? - e, finalmente, não tenho a mínima idéia de como passar roupas.

Diga-se de passagem, passar roupas é uma tarefa extremamente complicada. Usa, no mínimo, umas 5 das .7 inteligências.
Certeza.

Depois dizem que o difícil é entender o Mol.
tsc.

5 comentários:

1.000ton disse...

Peraí, doutor, buscas um marido ou secretário particular? E pq judeu ou aparentado? Preferes os circuncidados?
bs

Anônimo disse...

sobre mol, ainda me lembro de um professor substituto no colegial.
Ele usava o termo "uma água" ao invés de "1 mol de água". ficava tão hilário q nao tinha como nao rir.

Murilo

Anônimo disse...

Eu preencho quase todos os requisitos. Só não sou judeu e/ou aparentado de. Casemos, pois.

[joão]

Carla Navarrete disse...

Pior que eu sou um zero à esquerda como dona-de-casa. Qdo eu for morar com o Henrique ele que vai cozinhar pra mim...hehehe

Fe disse...

Quando eu comecei a ter que passar roupa, eu achava que fosse morrer. Mas que nada, rapidinho se pega a prática. O único porém é passar um tempo andando com roupas mal passadas...