sexta-feira, 25 de novembro de 2005

Morangos mofados.

Na feira da História tinha um Caio Fernando Abreu por 22. Não resistindo à pechincha, o amargo, pungente, descrente em minutos estava em minhas mãos. Sempre preciso me armar de alguma coragem - ou me despir de mim mesmo? - para enfrentá-lo.
É como se eu passasse a viver o seu mundo e compartilhar de uma dor difusa, algo que dói como um todo sem saber direito onde e porquê.

E sonho esse sonho
que se estende
em rua, em rua
em rua
em vão

in Papos de Anjo, Lúcia Villares


Enquanto Caio me acompanha, vejo a cidade acontecer do 29o a meia luz: os dragões não conhecem o paraíso.

Um comentário:

Anônimo disse...

"Linda, uma história triste" e "Aqueles dois" são de cortar o coração.

Bjs, Wans